quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Dando notícias da Alemanha

Comecei meu estágio no jornal Meppener Tagespost semana passada, na quarta-feira. Me deram em torno de dez notas ("Meldungen") para escrever, a partir de releases. No Brasil, eu acharia um saco fazer isso, um desperdício de talento. Mas aqui é um excelente exercício para aprender alemão.

No dia seguinte, quinta-feira, 8 de janeiro de 2009, saíram duas notas minhas no jornal. Esta foi uma:



O título: "Polícia procura testemunhas de acidente". O acidente em questão, bem menos importante do que o título promete, são dois carros que se bateram os espelhos. Um estava na contramão e fugiu. Um jornalista deu uma boa editada no texto na minha frente, claro! O que também foi interessante, pois aprendi mais sobre o idioma. E eu acho que não conseguiria relatar em inglês essa situação da notícia, o que é um bom sinal do nível que estou na língua.

A segunda nota foi menos modificada, apenas algumas palavras trocadas de lugar. O título debochado, típico da minha pessoa, permaneceu inalterado: "Conversar e olhar filmes com senhores". É sobre um evento organizado por um asilo, convidando as pessoas a participar de uma sessão de vídeo e também passar algumas horas se entretendo com os moradores da casa.



Bem, as outras notícias que escrevi foram engavetadas, coisa típica de jornal, mais ainda de estagiário. O bom é que não me pediram para fazer café nem nada (se pedissem, eu já aprendi alguns xingamentos em alemão...). Os colegas são realmente muito legais, receptivos. Estou gostando de estagiar lá.

Sexta fui de novo no jornal. Foi quando me dei conta que jornalismo é jornalismo, independente do lugar. Explico porque digo isso. Eu acompanhava uma jornalista numa matéria externa (quer dizer, feita fora da redação), sobre uma agência de viagens. Ela precisava de uma foto. Chegando lá, não havia nenhum cliente. Adivinha quem teve de cumprir o papel?


(Enquete para os leitores do blog: estou mais interessado em viajar ou na mulher da agência mesmo?)


Não me orgulho nem me envergonho. Tive meu pequeno dia de fama, pois as pessoas comentaram comigo que me viram no jornal. Comentaram mais do que na vez em que realmente eu me orgulhei de estar lá. E eu compreendi que as rotinas jornalísticas podem ser muito parecidas, mesmo que a dezenas de milhares de quilômetros de distância.

Quando voltar ao Brasil, estarei muito experiente mesmo. Afinal, aqui no jornal escrevo e sou pauta, cobro escanteio e faço gol de cabeça!

8 comentários:

Leonardo disse...

Dae tche,

Bah, que baita experiência, cara. Por mais notinha que seja, por mais serviço de estagiário que seja, tu tá escrevendo uma nota em alemão!
Tu vai ter uma credencial enorme pra apresentar quando voltar.

Abraço!
P.S: Não sei se é impressão minha, mas na foto tu ficou com uma cara de alemão nativo. Quem te vê na foto nem imagina que tu é daqui.

Eliza disse...

Oi Augusto!

Eu não tinha visto o texto "da vez que tu realmente se orgulhou"... olha..eu me divirto com esse teu blog!!! De verdade, acho legal saber das tuas experiências e também contar com o teu bom humor!
E que legal a oportunidade de trabalhar em um jornal aí, com certeza é muito válido!
Continua postando as tuas peripécias na alemanha que a gente fica acompanhando por aqui!
Tudo de bom!
Beijos!

Patrícia disse...

Céus!!! Você é muito engraçado. Eu não tinha lido o post que tanto te deu orgulho. Não dá pra saber qual é melhor. Beijo enorme, guri mais lindo.

Habylee disse...

A mão no queixo e a direção do teu olhar, analisados semioticamente, não deixam dúvidas sobre teu real interesse... hehehe

Me divirto horrores lendo teus causos, Augusto.

Bjos!

Iuri Lammel disse...

Fala Augusto

Cara, tua experiência aí na redação deve estar sendo muito massa. E ainda por cima sai duas vezes no jornal! Parabéns!

Se "só merece quem se esforça", então tu merece mesmo, porque pra aprender alemão tem que se esforçar muito. Uma vez tentei aprender e foi um desastre total. Credo, mas que linguinha complicada.

Estamos esperando um post sobre as alemãs.
Abraço!

Anderson Ribeiro disse...

Jornalismo caseiro, hein, Gustin? hehehehehehe. Parabéns aí com seus avanços linguísticos (quase coloquei o trema) epelas primeiras publicações em alemão. Como disse o Caetano Veloso, 'está provado que só é possível filosofar em alemão', então, você pode voltar realmente Augustóteles. kkkkkkkkkkkkkk

Ana Cláudia disse...

Claro, né?! Desde pequeno era chamado de alemão-batatão! Visionários...rsrsrsrs

Júlia Tavares disse...

Augustim, que legal passar por aqui e saber um pouco mais das suas aventuras. Parabéns pelo estágio!! Um beijo grande e saudades!!
Julita.